-

Produzido por Thaís Nicoleti de Camargo, consultora de língua portuguesa da Folha e do UOL, blog discute questões e dá dicas para quem tem dúvidas no emprego da chamada norma culta.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Consistório e conclave: você sabe a diferença?

Por Thaís Nicoleti

Conclave e consistório

A notícia da renúncia do papa torna oportuno refletir sobre o emprego de dois termos que frequentemente se confundem: consistório e conclave.

Ambos designam reuniões de cardeais, mas, enquanto o consistório é uma reunião presidida pelo papa, como esta em que houve o anúncio da renúncia do sumo pontífice ao papado, … 

Papa durante consistório em que anunciou sua renúncia ao pontificado

… o conclave é uma reunião a portas fechadas (aliás, “conclave”, em latim, é um aposento fechado “com chave”) em que cardeais escolhem o novo papa.

Cardeais reunidos em conclave. A fumaça branca expelida da chaminé da capela Sistina indica que um novo papa foi escolhido

Bento 16 e João Paulo 2º 

Normalmente se empregam os algarismos romanos para designar os papas. O emprego dos algarismos arábicos, opção da imprensa em geral, visa naturalmente a facilitar a sua correta leitura.

A regra de leitura de algarismos romanos pospostos a nomes (próprios ou comuns) é a seguinte: leem-se como ordinais os algarismos de I (ou 1º) a X (ou 10º); daí em diante, leem-se todos como cardinais. Por esse motivo, lemos João Paulo II (segundo) e Bento XVI (dezesseis); século V ou 5º (quinto) e século XX ou 20 (vinte); capítulo III ou 3º (terceiro) e capítulo XII ou 12 (doze).

 Ops!

 Há, entretanto, quem use o algarismo arábico e omita a sua distinção gráfica (“século 5” em vez de “século 5º”). Aí fica mesmo parecendo que o redator não conhecia a regra.

 Sumo pontífice

O papa também é chamado de sumo pontífice. “Sumo”, nesse caso, é um adjetivo de origem latina (“summus”) que significa “o mais alto”, “o mais elevado”. Dele deriva o substantivo “sumidade”, geralmente empregado em sentido figurado para designar pessoas que têm vasta erudição ou grande conhecimento em uma área do saber. 

 Esse “sumo” não tem relação com o substantivo “sumo”, que, de origem grega, quer dizer “suco” ou “líquido nutritivo que se extrai de matéria animal ou vegetal”.

 Pronome de tratamento

O pronome de tratamento empregado para papas é Vossa Santidade (ou Sua Santidade) e não deve ser abreviado. Vossa Santidade é a forma escolhida por quem se dirige ao papa; Sua Santidade, por sua vez, é a forma apropriada para nos referirmos ao papa. Ambas são formas de terceira pessoa do singular, motivo pelo qual os verbos (e demais pronomes) a elas relacionados devem ser cuidadosamente ajustados a essa pessoa gramatical. 

Há certa tendência a confundir os pronomes de tratamento iniciados por Vossa (Vossa Santidade, Vossa Excelência, Vossa Eminência etc)  com os pronomes da segunda pessoa do plural (vós, vosso). Uma maneira de evitar esse tipo de confusão é lembrar que o popular pronome “você” deriva da antiga forma Vossa Mercê. Isso quer dizer que a mesma concordância que se usa com você vale para todos os outros pronomes de tratamento. Fácil, não? 

Alguém diria, por exemplo, algo como “Você trouxestes vossos documentos”? Tomara que não! Todos dizemos corretamente “Você trouxe seus documentos”. Com os outros pronomes, é a mesma coisa: “Vossa Excelência trouxe seus documentos”.

Blogs da Folha