-

Produzido por Thaís Nicoleti de Camargo, consultora de língua portuguesa da Folha e do UOL, blog discute questões e dá dicas para quem tem dúvidas no emprego da chamada norma culta.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Favor e gentileza

Por Thaís Nicoleti

 Um favor é algo que se faz de graça, sem obrigação. Atuar em favor de uma causa é fazê-lo em benefício dessa mesma causa. Conquistar o favor de alguém nada mais é que granjear a simpatia da pessoa. A expressão “por favor” é uma espécie de símbolo da boa educação. Cedo aprendemos a usá-la antes de fazer algum pedido.

Convém observar que o modo verbal que usamos para pedir é o mesmo que usamos para mandar, para aconselhar e para convidar. Estamos falando do chamado portugues e cia “imperativo”.

Qualquer um percebe, no entanto, a diferença entre “Entregue o relatório até as 14h” e “Por favor, entregue o relatório até as 14h”. Claro está que, no ambiente de trabalho, sobretudo quando há hierarquia entre as partes envolvidas, a transformação da ordem em pedido indica respeito, é um traço de gentileza, mas não é segredo para ninguém que “pedido de chefe é ordem”, certo?

Há quem prefira usar a palavra “favor” de maneira “econômica”, sem a preposição “por” e seguida de um verbo no infinitivo impessoal. Quem já tiver recebido uma mensagem do tipo “Favor entregar o relatório até as 14h” certamente terá sentido o impacto dessa construção, que pode sugerir rispidez.

É provável que esse efeito rude esteja ligado mais à forma verbal que ao substantivo “favor” isolado da locução. Quando em exercício de ordem-unida, no Exército, a tropa recebe do comandante instruções do tipo “Batalhão, apontar… armas!”, “Descansar!”, “[À] direita, volver!”. Nesse caso, a opção pelo infinitivo com valor de imperativo é adequada, pois trata-se de um comando a ser seguido pela tropa como se ela fosse um só corpo. A impessoalidade da forma verbal (sem flexão de pessoa gramatical) enfatiza a ação em si.

No ambiente de trabalho, esse tipo de construção sintática funciona como um marcador hierárquico, desnecessário quando cada um conhece sua posição e suas funções. Além do mais, um pouco de gentileza costuma trazer melhores resultados (já dizia o profeta!).

 

Blogs da Folha