-

Produzido por Thaís Nicoleti de Camargo, consultora de língua portuguesa da Folha e do UOL, blog discute questões e dá dicas para quem tem dúvidas no emprego da chamada norma culta.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Um poema de Drummond no Dia das Mães

Por Thaís Nicoleti

Pela pena de Carlos Drummond de Andrade, deixo uma homenagem a todas as mães e a minha solidariedade a todos os filhos que já não têm a quem abraçar nesta data.  O soneto que você lê abaixo é intitulado “Carta”:

Há muito tempo, sim, que não te escrevo.temalivre
Ficaram velhas todas as notícias.
Eu mesmo envelheci: olha, em relevo,
estes sinais em mim, não das carícias

(tão leves) que fazias no meu rosto:
são golpes, são espinhos, são lembranças
da vida a teu menino, que ao sol-posto
perde a sabedoria das crianças.

A falta que me fazes não é tanto
à hora de dormir, quando dizias
“Deus te abençoe”, e a noite abria em sonho.

É quando, ao despertar, revejo a um canto
a noite acumulada de meus dias,
e sinto que estou vivo, e que não sonho.

Note que o “eu lírico” (a voz que fala em um poema) é um homem já envelhecido. Faz menção aos sinais em seu rosto (as rugas do envelhecimento) e emprega a expressão “ao sol-posto”, metáfora da última etapa da vida.

Conversa com a mãe, expressando a falta que sente dela, por meio da segunda pessoa do singular (tu), como se vê na flexão dos verbos e no emprego dos pronomes: “que não te escrevo”,”olha em relevo” (modo imperativo), “que fazias no meu rosto”, ” a falta que me fazes“, “quando dizias“, “Deus te abençoe” (a mãe também o trata por “tu”). Percebe-se que o poeta mantém o tratamento (“tu”), sem a mistura de pessoas gramaticais hoje tão comum mesmo em escritores.

Vale observar a bela estrutura do soneto, com suas rimas e versos decassílabos. Veja a maestria do poeta na passagem da primeira estrofe para a segunda: a “frase” que começa no terceiro verso da primeira estrofe continua no primeiro da segunda:

… olha, em relevo,/ estes sinais em mim, não das carícias /(tão leves) que fazias no meu rosto

Embora a ideia comece em uma estrofe e continue na outra, não há interrupção de sentido ou de ritmo. Esse recurso chama-se “enjambement” ou encadeamento. Na leitura em voz alta, deve-se respeitar o ritmo, sem fazer uma pausa artificial entre os versos.

Rimas como “escrevo/relevo” ou “dizias/dias”, obtidas de palavras de diferentes classes gramaticais, são as chamadas rimas ricas, que sempre oferecem mais dificuldade ao autor. Para fazer um soneto, é preciso pensar em muita coisa (métrica, ritmo, rimas), tudo isso a serviço da emoção, que transparece nas metáforas e outros volteios de linguagem. Veja como a vida é descrita pelo poeta num paradoxo: “noite acumulada de meus dias”.

Há muito mais a dizer, mas fique hoje o leitor com essa pequena degustação do nosso grande Drummond.

 

Blogs da Folha