Poemas inéditos de Fernando Pessoa

Os inúmeros fãs de Fernando Pessoa vão gostar da notícia. Acabam de ser descobertos manuscritos do poeta, até agora inéditos. Vale a leitura de reportagem publicada hoje no caderno “Ilustrada”, da Folha.

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrada/110396-pessoa-tem-centenas-de-poemas-ineditos.shtml

Aqui a reprodução do poema publicado hoje na Folha, respeitada a grafia original do fac-símile, a ser também reproduzida na edição da revista “Granta”:

Alma de Côrno

Alma de côrno – isto é, dura como isso;

Cara que nem servia para rabo;

Idéas e intenções taes que o diabo

As recusou a ter a seu serviço –

 

Ó lama feita vida! ó trampa em viço!

Se é p’ra ti todo o insulto cheira a gabo

– Ó do Hindustão da sordidez nababo!

Universal e essencial enguiço!

 

De ti se suja a imaginação

Ao querer descrever-te em verso. Tu

Fazes dôr de barriga á inspiração.

 

Quér faças bem ou mal, hyper-sabujo,

Tu fazes sempre mal. És como um cú,

Que ainda que esteja limpo é sempre sujo.

DICA: vale ler e guardar a reportagem do Guia Folha de hoje sobre bibliotecas, livrarias e sebos da cidade de São Paulo. Segue o link:

http://guia.folha.uol.com.br/passeios/2013/05/1283795-guia-sugere-30-bibliotecas-livrarias-e-sebos-classicos-e-novos-em-sp.shtml

 

 

 

 

Comentários

  1. Sensacional! Não é por acaso que Fernando Pessoa é um dos maiores poetas da Literatura Portuguesa. Coincidentemente, hoje terei uma prova na faculdade sobre ele. Fiz questão de encaminhar essa notícia para a minha professora de Literatura, que é apaixonada por Fernando Pessoa.

Deixe uma resposta