-

Produzido por Thaís Nicoleti de Camargo, consultora de língua portuguesa da Folha e do UOL, blog discute questões e dá dicas para quem tem dúvidas no emprego da chamada norma culta.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Resposta do teste de pronúncia

Por Thaís Nicoleti

Muito bem, pessoal. Vamos ver como se pronunciam as palavras do teste de ontem.

O primeiro grupo, encabeçado pela palavra “guerra”, cuja pronúncia é conhecida de todos, engloba as seguintes palavras: aguerrido, preguiça, guindaste, extinguir, distinguir, aqueduto, quindim. Esses termos não tinham trema, pois neles a letra “u” dos grupos gue, que, gui, qui não é pronunciada. Aqui não houve mudança, portanto.

O segundo grupo, encabeçado pelo verbo “aguentar”, cujo “u” é pronunciado e átono, inclui as palavras que perderam o trema. São elas: linguiça, arguição, pinguim, redarguir, delinquente, sequela, aquífero, delinquir. É claro que, mesmo sem o trema, vamos continuar pronunciando as palavras como se o sinal estivesse lá sobre a letra “u”. Dureza, não?

O terceiro grupo compreende as outras três palavras: antiguidade, líquido e liquidação. Note que a pronúncia delas varia: ora o “u” aparece pronunciado, ora não. Essas palavras admitiam a dupla grafia, com e sem trema, refletindo a oscilação de pronúncia.

É claro que o nosso teste arrolou uma ínfima parte das palavras que têm os grupos que, que, qui e gui.  Note: muitas pessoas tendem a pronunciar os verbos “extinguir” e “distinguir” com o “u” pronunciado, mas esses verbos não tinham trema. O “u” dessas palavras é mudo mesmo.

Sobre as formas do verbo “arguir”, vale observar que, além do trema, perderam o acento agudo do “u” tônico. Agora não se trata de uma distinção como a que se dá entre “esquilo” /k/ e “equino” /ü/, ou seja, entre pronunciar e não pronunciar o “u”. A questão agora é emitir o “u” de maneira fraca (átona) ou forte (tônica). Vamos entender a questão.

No presente do indicativo, tínhamos eu arguo, tu argúis, ele argúi, nós argüimos, vós argüis, eles argúem; no pretérito perfeito, tínhamos eu argüi, tu argüiste, ele argüiu, nós argüimos, vós argüistes, eles argüiram.

É inegável  que os sinais diacríticos nos dão conforto e segurança na hora de pronunciar essas palavras. A realidade, porém, é que todos (trema e acento agudo) foram suprimidos por obra do acordo de unificação ortográfica.

Como vemos, as palavras “argui” e “arguis” têm duas pronúncias. Caberá ao contexto deixar clara a pronúncia adequada. “Ele argui”, “u” tônico, é presente (ele pergunta, ele argui); “eu argui”, “u” átono, é passado (eu perguntei, eu argui).  No caso da forma “arguis”, a distinção está na pessoa gramatical: “tu arguis”, “u” tônico, é presente (tu perguntas, tu arguis); “vós arguis”, “u” átono, é presente também (vós perguntais, vós arguis).

 

Blogs da Folha