-

Produzido por Thaís Nicoleti de Camargo, consultora de língua portuguesa da Folha e do UOL, blog discute questões e dá dicas para quem tem dúvidas no emprego da chamada norma culta.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

“A”, “há” ou nenhuma das anteriores

Por Thaís Nicoleti

Uma de nossas leitoras enviou uma interessante questão sobre o emprego de  “a” ou “há” em determinado enunciado. Ela precisava formular a seguinte sentença: “O veículo precisa estar sem sinal de GPS a (ou há?) mais de dois dias para ser colocado em quarentena”. Nesse caso, pergunta ela, seria cabível empregar a preposição “a” ou a forma verbal “há”?   final o leitor quer saber

É preciso considerar, em primeiro lugar, que a forma “há”, do verbo “haver”, indica tempo decorrido. Por esse motivo, são corretas construções como as seguintes: “Estou aqui há mais de dois dias”, “Trabalha na empresa há dez anos“, “Esteve em Berlim há dois anos” etc. A preposição “a”, por sua vez, pode indicar distanciamento, até mesmo quando associada à ideia de tempo. Veja-se, por exemplo, uma expressão como “daqui a pouco”, na qual a preposição “a” assinala um intervalo (de um ponto a outro, de um momento a outro). Como é fácil perceber, o intervalo não configura tempo decorrido, portanto não seria possível empregar nessa situação a forma do verbo “haver”.

Da mesma forma, é a preposição “a” que usamos em construções como “A dois meses do início da Copa do Mundo” (dois meses antes do início) ou “A duas semanas do jogo” (duas semanas antes do jogo). Note que não se trata de tempo decorrido, mas, ao contrário disso, de um tempo futuro.

A frase enviada pela leitora rigorosamente não comporta nenhuma dessas duas formas. A preposição “a” logo seria descartada, pois não há demarcação de intervalo (como há em “de domingo a terça-feira”) nem projeção de tempo futuro (como há em “a dois meses da Copa”). A forma do verbo “haver”, por sua vez, poderia parecer, ao menos à primeira vista, ser a melhor solução, já que indica duração. Ocorre, no entanto, um problema: o tempo verbal da frase. Caso o verbo principal estivesse no presente do indicativo,  teríamos o seguinte: “O veículo está há mais de dois dias sem sinal de GPS” ou ainda “Faz mais de dois dias que o veículo está sem sinal de GPS”.

Na sentença original, porém, não seria adequado empregar a forma “há”, pois a situação ainda não se concretizou e, consequentemente, o tempo não decorreu. Para fazer a ligação entre os elementos (falta de sinal de GPS + tempo de mais dois dias), é necessário empregar uma preposição que indique apenas a ideia de duração (sem a ideia de “passado”). Veja uma sugestão: “Para ser posto em quarentena, o veículo deve estar sem sinal de GPS por mais de dois dias”. 

 

 

Blogs da Folha