Ela “se maquia” ou ela “se maqueia”?

Volta e meia, alguém tem essa dúvida. Afinal, como se conjuga o verbo “maquiar”? Ela se maquia ou ela se maqueia?

Não é difícil encontrar a resposta certa. Basta observar a terminação do verbo: “maquiar” termina em “-iar”. Trata-se, portanto, de um verbo regular, pelo menos em princípio. Dessa informação deduz-se que terá o mesmo comportamento de seus semelhantes – adiar, afiar, angariar, amaciar, assobiar, confiar, copiar, denunciar, fantasiar, prestigiar e tantos outros. Temos, portanto, as formas eu maquio, tu maquias, ele maquia, nós maquiamos, vós maquiais, eles maquiam.

Ao lado dessa forma, existe a variante “maquilar” (maquilo, maquilas, maquila, maquilamos, maquilais, maquilam). A duplicidade de formas estende-se aos substantivos: maquiagem ou maquilagem, ambos corretos.

A origem da dúvida

A dúvida nasce do fato de haver no português alguns verbos de primeira conjugação (terminados em “-ar”) que apresentam a terminação “-eia” na terceira pessoa do singular. Esses verbos são terminados em “-ear”. Veja que eles têm uma letra “e” antes da vogal temática “a”. Estamos falando de verbos como bloquear, passear, frear, cear etc. Eles têm uma característica comum, que se manifesta no tempo presente do indicativo e, consequentemente, no presente do subjuntivo: a presença de uma vogal “i” depois do “e” em quase todas as pessoas gramaticais. Note que dizemos eu bloqueio, eu passeio, eu freio, eu ceio etc.

Essa letra “i” aparece em quase todas as pessoas gramaticais no tempo presente: eu passeio, tu passeias, ele passeia, nós passeamos, vós passeais, eles passeiam. Você percebeu que, na primeira e na segunda do plural (nós e vós), o “i” não apareceu. É assim mesmo que se comportam os verbos terminados em “-ear”.

Vamos conjugar o verbo “frear”, por exemplo: eu freio, tu freias, ele freia, nós freamos, vós freais, eles freiam. Somente na primeira e na segunda do plural a letra “i” desaparece.

No tempo presente do modo subjuntivo, ocorre a mesma coisa. Vejamos: ela espera que eu freie, que tu freies, que ele freie, que nós freemos, que vós freeis, que eles freiem.

É simples, não?

Comentários

  1. Boa noite….

    Li com muita atenção a explicação sobre a dúvida da conjugação do verbo MAQUIAR Em relação à origem da dúvida, gostaria de lembrar da existência dos verbos terminados em -iar: MEDIAR, ANSIAR, REMEDIAR, INCENDIAR e ODIAR (exceções), que apresentam conjugação irregular. Por exemplo: medeia, (intermedeia), anseia, incendeia e odeia.

    Creio que grande parte desta dúvida reside na analogia ao uso do verbo ODIAR, um verbo abundantemente usado e de forma correta por todos os falantes da nossa língua.
    Quanto aos outros verbos mencionados, acredito que pouquíssimos falantes usam corretamente.

    Sou professora de Português e resido em Uberaba(MG).
    Caso queira enviar-me algum comentário tem o email no campo obrigatório.

    1. Sim, professora, mas também me parece pesar na escolha errada o fato de haver mais verbos terminados em -quear do que terminados em -quiar. Pode ser esse mais um dos fatores que conduzem à confusão. Além disso, os verbos mediar e intermediar vivem sendo “regularizados”. Vamos tratar disso logo mais. Abraços 🙂

    1. Vamos lá. Vamos repetir a conjugação do verbo “frear” no presente do indicativo: freio, freias, freia, freamos, freais, freiam. O “i” que desaparece é aquele que, nas outras pessoas, vem logo depois do “e”. O “i” da forma “freais” é o da desinência (terminação verbal) de pessoa gramatical (“-is”). Esse “i” não tem nada a ver com a irregularidade do verbo. Note que, no infinitivo, não existe o “i”: “frear”. A primeira e a segunda do plural comportam-se como o infinitivo (freamos, freais- e não “freiamos” ou “freiais”, estas grafias erradas, inexistentes).Certo? Abraços:)

Deixe uma resposta