Pronomes pessoais: registro oral e registro formal

Não é de hoje que os falantes do português, pelo menos os do Brasil, vêm usando o pronome pessoal do caso reto  na posição de objeto direto. Estamos falando de construções que ouvimos diariamente, como “Eu chamei ele”, “Fulano encontrou ela na festa”, “O motorista do outro carro xingou ela”, todas muito familiares aos nossos ouvidos no dia a dia.portugues em dia

É interessante observar que esse uso é generalizado mesmo entre falantes escolarizados, desde que estejam operando em um registro informal da língua. O emprego dos pronomes átonos nessas frases (“Eu o chamei”, “Fulano encontrou-a na festa”, “O motorista do outro carro xingou-a”) é incomum na fala.  Isso é fato, mas não é motivo para negligenciarmos o seu uso nas comunicações formais – pelo menos, não ainda.

Vale notar que esse “desvio” da norma culta não ocorre igualmente com os pronomes retos das outras pessoas gramaticais. Não se ouve, por exemplo, algo como “ele viu eu” entre aqueles mesmos falantes que não hesitam em dizer “ele viu ela”. Na primeira pessoa do singular, a distinção entre o pronome reto (de sujeito) e o oblíquo (de objeto) continua intacta (“Ele me viu”, “Eu vi alguém”).

O pronome átono “te”, por sua vez, embora seja da segunda pessoa do singular, é largamente empregado por falantes que não fazem uso do pronome “tu” (pronome do caso reto de segunda pessoa).Na prática, os falantes misturam as pessoas gramaticais, realizando construções do tipo “Você me pediu ajuda e eu te disse o que fazer”. “Você”, pronome de tratamento, é da terceira pessoa e “te” é da segunda.

Nas aulas de português, é comum que se trate tudo isso como “erros” a corrigir, muitas vezes reduzindo uma questão complexa à determinação de uma forma certa em contraposição à(s) errada(s). Quando fazemos isso, deixamos de observar o que a realidade teima em nos mostrar: o dinamismo da língua.

Nas universidades, os linguistas elegem a língua como seu objeto de estudo e buscam descrevê-la exatamente como ela se apresenta, “ao natural”. É por isso que, nesse nível de estudo, nunca se fala em erro e acerto.

De fato, não há como controlar o modo como as pessoas falam (é por isso que projetos de criar leis antiestrangeirismos nunca são levados a sério).  Quando alguém se põe a escrever, porém, a história é outra. O texto redigido não é espontâneo, mas fruto de reflexão. É por isso que, nesse tipo de registro, é esperado que as pessoas façam uso da norma-padrão, mais adequada à expressão concisa, clara e precisa das ideias.

Existem escritores que optam por levar o registro oral para as páginas de livros – e o fazem deliberadamente, obtendo com isso grande expressividade.

A linguagem que se pode (e se deve) regular é a dos textos informativos, objetivos, de caráter formal. Dessa forma, a mesma pessoa que  disse ao colega de trabalho que “o motorista xingou ela” poderá redigir uma carta a seu superior hierárquico na empresa empregando os pronomes átonos na posição de objeto direto (“Os documentos foram enviados ao setor jurídico. Depois de analisá-los, a equipe os devolverá ao senhor”).

Comentários

  1. Desejo comentar sobre o uso do futuro do indicativo nos jornais e programas da televisão. Por que falam no sábado: “É domingo a partir do meio dia nesse canal” ao inves de dizerem “Será no domingo a partir do meio dia nesse canal”. Sou professora e fica dificil convencer aos alunos que os âncoras e apresentadores da TV falam errado. Ivete Bezerra

    1. Ivete, não sei se a abordagem do tema deveria essa. Em primeiro lugar, como sabemos, o tempo presente aproxima aquilo que está num futuro próximo, o que pode ser o motivo de esses apresentadores fazerem esse uso. Talvez você também possa mostrar aos alunos que a linguagem dessas pessoas está mais próxima do registro oral do que do escrito, no qual é muito comum a substituição do futuro simples pelo presente. Abraço

    1. Paula, a mesóclise quase não tem uso no português do Brasil; a próclise é plenamente aceita como correta nessa construção. É claro que você poderia, sim, optar pela mesóclise nessa frase, sem dúvida. É preciso lembrar, porém, que mesmo a norma culta não é estática e que recomendar o uso da mesóclise como a “forma correta” no contexto mencionado seria assumir que é necessário usar um tom preciosista numa correspondência formal cotidiana. É importante conhecer a mesóclise para que se possa ler competentemente textos em que ela é empregada, mas isso não significa recomendar que as pessoas voltem a usar essa construção, hoje muito artificial para nós. Abraços

    1. Sim, Juliana, pois “você” é um pronome de tratamento e todos os pronomes desse tipo são da terceira pessoa gramatical. Veja como você conjuga os verbos ao usar “você” no sujeito: “você vai” (exatamente como “ele vai”). Na segunda pessoa (do singular), seria “tu vais”.

Deixe uma resposta